privacidade-na-internet

Privacidade na internet: isso realmente existe?

Muitos talvez já saibam, mas é importante reforçar: na internet estamos sempre expondo nossa identidade e sendo espionados o tempo todo, independente de quem seja. Em um mundo cada vez mais conectado, fica difícil ter uma precisão perfeita na blindagem contra os invasores que querem saber mais informações sobre quem você é.

Por que é difícil de ter privacidade na internet?

O primeiro motivo está relacionado com empresas. Para o marketing entender o que você gosta, é necessário que tenha uma troca de informações de terceiros. Visite uma loja virtual agora. Depois navegue pela internet e você verá ou anúncios da loja que você acabou de visitar, ou de outras lojas que tem o mesmo ramo de vendas.

Mas como é possível acontecer isso? Como a internet sabe o que você está procurando? A causa disso é que as informações estão todas interligadas. Empresas compartilham dados entre empresas sobre todas as ações dos usuários na internet. Esses dados facilitam na análise de onde as pessoas são, o que fizeram, onde clicaram, de onde vieram, entre outros. Tais dados é possível obter através de Cookies

O que são Cookies?

Não, cookies não é o mesmo cookie de alimento. Os Cookies da internet são um pequeno arquivo de texto armazenado no navegador com as informações básicas de um site. Muitos sites usam os Cookies como uma forma de coletar dados sobre o usuários e formar estatísticas de acesso e ações na página. A divulgação dessas estatísticas/ações vai depender de site para site, de empresa para empresa.

Em locais como na União Europeia por exemplo, há uma lei que obriga os sites (principalmente sites europeus) a informar claramente ao visitante que o site que está acessando usa cookies para coleta de dados. Geralmente, essas informações estão localizadas nas páginas de política de privacidade.

Para que isso aconteça, não importa de qual dispositivo venha o acesso, será possível saber que você é a pessoa que acessou. Não entendeu? Explicamos:

Sabemos quem é você

Por exemplo, um usuário que tem conta Google atualmente, pode ser facilmente identificado pela empresa sobre quem, onde, quando e o que acessou. Então, o João, um usuário que tem uma conta no Google, comprou um smartphone novo. Quando ele logar na conta do Google nesse dispositivo novo, a empresa notificará no email do João que alguém, mesmo que seja ele mesmo, fez login no smartphone (xyz), na hora (xx:xx:xx) e a região do acesso. Outras empresas além do Google também emitem esse alerta.

O Facebook é um grande veículo que conhece com alta precisão sobre o usuário cadastrado na rede social. Mesmo que você não especifique para empresa o que você gosta, somente o fato de você navegar nos sites que tem o script (botões de curtir e compartilhar da empresa) a mesma sabe quais são seus interesses, sabe sobre sua personalidade, o que costuma frequentar,  e com isso, seleciona os anúncios que você pode ter interesse em ver. Isso pode ser feito só curtindo as publicações.

Esse assunto foi bem mais aprofundado no post O poder do ‘Like’ na internet

Serviços pagos vs serviços gratuitos

Dificilmente vemos um aplicativo gratuito que seja muito eficaz.  As pessoas preferem baixar aplicativos gratuitos, mesmo que tenham anúncios, à baixar os pagos, ainda que custem um pequeno preço para não verem anúncios. Um antivírus por exemplo é um dos mais comuns em modelos gratuitos e pagos. Os antivírus gratuitos fazem um escaneamento básico no smartphone/computador, e o resto contém anúncios para atualizar para a versão premium ou anúncios de empresas parceiras.

Mesmo as pessoas sabendo que possuem a segurança básica e gratuita, preferem ver os anúncios para não pagarem nada. Isso vale para jogos e outros aplicativos populares.

Afinal, ser anônimo ou ser identificado na internet?

Depende. O anonimato pode impedir de que alguns dados sobre você sejam distribuídos entre as empresas e você navegará na internet com mais segurança, se assim você desejar. Para sites como o Google por exemplo, não há a necessidade de camuflar quem você é. Se o Google souber quem você é poderá trazer os resultados das pesquisas que você faz muito mais precisos.

Para sites desconhecidos ou suspeitos, esse sim é importante o anonimato. Você não saberá o que está acessando, portanto, correrá o risco de vírus infectar seu computador. Todos já sabemos que a internet é cheia de armadilhas. Ficar atento aos sites que acessamos é muito importante.

E não para por aí…

Embora as empresas coletem todos esses dados, o governo de cada país pode monitorar as ações dos usuários. No Brasil existe a lei do Marco Civil, que diz garantir a neutralidade da rede. Mas há brechas nessa lei. As operadoras que liberam acesso a internet monitoram todo o histórico de navegação dos usuários. Esses dados são armazenados e só pela solicitação do governo serão divulgados.

Mas o que isso está relacionado com os criadores de conteúdo na internet?

Se você é alguém que critica o governo brasileiro ou fala mal sobre alguém por exemplo, seja por blog, ou vlog, há um grande risco de ter seu site ou vídeo retirado do ar, pois a pessoa criticada ou o governo, tem a liberdade de retirar o conteúdo do ar se o juiz declarar que o conteúdo é ofensivo. Isso será feito sem se quer o dono do conteúdo souber. Isso é algo que impede a verdadeira liberdade de expressão.

Portanto, sabemos que somos espionados constantemente, inclusive pelo governo. Se você é criador de conteúdo e for falar mal de alguém, saiba que você pode estar sujeito a ter seu conteúdo fora do ar.

Se o governo quer tanto espionar a atividade dos usuários na internet, por que não nos meios de comunicação? Não é a toa que o WhtatsApp teve o seu app bloqueado por aqui. Já que a mesma tem um meio de criptografar as conversas trocadas entre os usuários. Isso impede o governo de monitorar o que os usuários andam falando por aí…

Links úteis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *