A ideia por trás da inovação: saia dos padrões

Uma palavra muito bonita de ouvir, e ao mesmo tempo é complexa. Essa palavra tem um som que qualquer chefe de empresa gosta de ouvir, inclusive pessoas autônomas que oferecem seus próprios serviços. “Vamos inovar”, “vamos mudar”, “vamos fazer diferente”.

Aqueles com um bom potencial de análise, podem ser capazes de comparar situações e criar diferentes formas de resolvê-lo. Porém, às vezes o “marketing das coisas” faz com que o novo pareça inovador, sendo que nem sempre funciona assim.

Algo novo significa que alguma coisa acabou de ser feita. Por mais que seja diferente ou mesmo mais moderno, não quer dizer que foi algo inovador.

Vamos fazer uma analogia usando como exemplo o modo de preparo do bolo.

Pense que você tem uma empresa que sempre produz bolos de chocolate, de vários tamanhos e com diferentes enfeites. Um dia você resolve mudar e dizer: vamos inovar, vamos sair do chocolate e passar a fazer bolo de cenoura e de abacaxi também.

O problema é que nesse exemplo, não se trata de uma inovação, mas sim, de uma mudança de hábito. A sua empresa produzia bolos de chocolate por 10 anos e depois decidiu “inovar” e incluir outros dois novos sabores. O problema disso é que existirá apenas uma mudança de costume onde o consumidor terá novas opções de compra.

No entanto, inovar não quer dizer mudar de hábito, e sim, fazer a mesma coisa de um modo diferente. As pessoas evitam de comer bolos de chocolate porque em geral não querem engordar (por exemplo). Agora você anuncia dizendo que existe uma nova fórmula que sua empresa irá seguir, e todos os bolos irão ser 70% menos calóricos e manter o mesmo sabor cremoso de sempre.

Por mais que você só faça bolos de chocolate, a partir do momento que você pode provar, através da química,  que sua nova receita deixa os bolos de chocolates menos calóricos, as pessoas vão passar a consumir os bolos de chocolate da sua empresa. Assim,  o consumidor não ganha “uns quilinhos” como ganharia se comesse um bolo de chocolate comum.

É nesse momento que entra a ideia inovadora, pois você pode conservar a tradição de fazer bolos de chocolate, mas eles poderão ser vendidos com muito mais frequência, já que o consumidor pode ignorar o seguinte pensamento: “se eu comer esse bolo de chocolate sozinho, eu vou engordar”

É aqui que as promoções das marcas entram. É muito frequente encontrar esse tipo de coisa em marcas de tecnologia, mas isso serve para qualquer empresa independente do ramo. Lançar um produto novo não significa que o produto anterior seja pior ou mais fraco.

Algumas empresas realmente merecem o selo da inovação, já outras concorrentes, adoram abusar dos números para mostrar a potencia dos componentes e assim, cobrar caro por isso. Então, a palavra certa seria “renovar” e não “inovar”.

Portanto, empresas que renovam, só mudam a cor da embalagem. O produto anterior é idêntico ao recém-lançado, contudo, as marcas adoram dizer “mas esse tem um diferencial” por mais ridículo que seja.

Blog inovador?

Nessa hora vem a pergunta: é possível um blog ser inovador?

Isso depende muito. Cada pessoa tem diferentes costumes e gostam de praticar coisas novas, ou, manter a tradição (pessoas mais conservadoras). Nesse caso o que é inovado não é o blog em si, mas quem o administra. O que torna um blog popular não é o fato de ser atraente ou não, mas sim o conteúdo dele.

É claro, aparecia importa, mas o conteúdo sempre será a chave.

A dica a seguir não se aplica apenas para blogs, se aplica para tudo que pode-se inovar: sair dos padrões. Como o próprio nome desta matéria, aqueles que ousam sair dos padrões, aqueles que arriscam tentar algo novo, aqueles que veem solução onde ninguém seria capaz de enxergar, enfim.

Como fazer a inovação do jeito certo

Inovação não tem receita ou fórmula (diferente do que muitos sites dizem: “siga estas 10 formas de inovar e fique rico amanhã”, quem diria se isso existisse), pois depende de onde estamos, como estamos, com quem estamos, ou pelo que passamos.

E não fique surpreso se xingar os clientes fará você ter uma página no Facebook com mais de 100 mil curtidas, pois isso é possível – só não recomendo – e para provar que isso não é mentira, clique no link abaixo:

https://www.facebook.com/bar.capelao/

Essa página do Facebook, por mais estranho que pareça, é real.

Sim, um dono de um bar em MG xinga os clientes e tem mais de 100 mil curtidas? (onde foi que eu errei?). Não que isso sirva como um exemplo de uma página inovadora, mas sim, um exemplo que prova o seguinte: o fato de xingar ou não o cliente, não o impede de ter sucesso.

O dono desse bar tem história, e através do bom-humor, ele consegue chamar atenção das pessoas. Afinal, se xingar cliente não trouxesse sucesso, provavelmente ele já teria recebido denúncia do Facebook por danos morais. No entanto, como você pode ver, o efeito foi totalmente o contrário.

Não é todo o bar por aí que xinga cliente. E é justamente essa diferença que ainda está chamando muita atenção pela internet.

Já leu as avaliações das pessoas? Isso é realmente surpreendente.

Então, não se preocupe, você não precisa ficar xingando cliente, seguidor, assinante, ou quem quer que seja para conseguir fazer sucesso.

A partir dessa experiência, é possível afirmar que, acima de tudo, você tem que ser você mesmo. Sendo assim, você não deve trabalhar em locais que não gosta de trabalhar, não deve se comportar como um alienígena na frente de um cliente, não deve escrever uma redação formal se não souber fazê-la ou qualquer coisa relacionada.

Você não precisa ser escravo dos padrões da sociedade e seguir sempre as regras. Mudanças sempre são bem-vindas, principalmente se for para algo melhor. Se não deu certo, tente outra coisa, uma hora funciona.

É essencial que você descubra o seu talento, assim você pode exercitá-lo, investir tudo de você nele, e acreditar no seu potencial.

Se você ainda não fez sucesso, é por que você não achou o seu diferencial, ou ainda precise exercitá-lo por mais tempo.

E o selo da inovação vai para…

1. Leonardo Da Vinci

Esse homem foi muito importante na era do renascimento. Foi pintor, escultor, arquiteto, engenheiro, matemático, fisiólogo, químico, botânico, etc. Ele foi responsável pela criação dos helicópteros, equipamento de mergulho, pontes giratórias, além da sua obra prima, a Mona Lisa.

2. Henry Ford

Responsável por fundar a conhecida Ford Motor Company, foi o homem mais rico da história. Ele inventou o termo “Fordismo”, pois aplicou seu conceito de produção em massa. Na época, foi uma revolução no mercado dos EUA, e posteriormente, outras empresas adotaram o modelo dele.

3. Steve Jobs

Foi um inovador da informática atual, responsável pela criação da Apple, e por por revolucionar seis indústrias: computadores pessoais, filmes de animação, música, telefones, tablets e publicações digitais. Ficou muito conhecido após a criação do Macintosh, iPhone, iPad e outros utensílios que, na época, eram sofisticados.

4. Thomas Edison

Ele era empresário nos EUA. Financiou vários projetos simples mas de grande utilidade, como o aperfeiçoamento do telefone, criação da primeira câmera fotográfica, e, acima de tudo, o nascimento da lâmpada incandescente.

Por último…

5. Tallis Gomes

Para servir de inspiração, este brasileiro é responsável pela criação do Easy Taxi, aplicativo mais baixado pelos brasileiros para mobilidade urbana.

 

Ou seja, a partir disso, todos os dias temos pequenas e grandes novas inovações, acontecendo em todas as partes do mundo. Cada um, fazendo aquilo que gosta de fazer. Seja você um inovador também, basta você procurar resolver problemas que ainda as pessoas enfrentam no dia a dia, algo que ninguém ainda pensou, pois sempre o que vem hoje, deve superar o que foi feito/acreditado ontem.

 

Links úteis:

20 jovens inovadores brasileiros que querem fazer a diferença (externo)

Lições que podemos aprender com Steve Jobs

O poder do marketing e sua força na internet

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *