Mundo Digital

As discussões das redes sociais e a propagação de ódio na internet

Nas gerações onde as redes sociais são o maior epicentro de união de pessoas e propagação de dados, há uma série de complicações que muitos devemos tomar cuidado, ainda mais se você for um produtor de conteúdo.

Em primeiro lugar, algo que todos já devem estar cansados de saber, são as fake news. Em segundo, são agressões, propagação de ódio e desrespeito das pessoas, em terceiro, influencias negativas podem mudar a forma de pensar e agir de muitas pessoas.

Esse assunto é muito sério, difícil de resolver e está em toda parte. Por exemplo, todos sabemos que quando as discussões envolvem política, sempre tem os radicais que vão mandar o outro para o inferno. E como resposta, o outro retruca com outras agressões.

Mas a discussão não precisa ser sobre política para que isso aconteça. Pode ser simplesmente uma notícia, envolvendo transporte, ciência, tecnologia, saúde, etc.

São poucos aqueles que realmente estão lá para ajudar alguém que precisa de ajuda. Para colocar culpa e ser agressivo, esses tem aos montes.

Exemplo: uma vez, não faz muito tempo, uma pessoa postou uma pergunta em uma notícia sobre tecnologia no Facebook. Não havia nada demais na pergunta, tinha haver com a matéria publicada.

Porém, além das pessoas não entenderem exatamente o que foi perguntado, esta ainda foi respondida com agressão seguida de mais respostas agressivas.

Foram poucos aqueles que compreenderam e comentaram respondendo a pergunta explicando com mais clareza a coisa certa, sem ofensas, sem agressões.

Para piorar, as respostas mais agressivas foram as que mais receberam curtidas e reações de risada.

Se fossem temas delicados, assuntos que envolvem dois lados, já é de se esperar que comentários agressivos venham a aparecer, mas se você faz uma pergunta fora desse contexto e mesmo assim é tratado com desrespeito, a que ponto as pessoas chegaram?

Por isso, vou dar algumas dicas de como lidar com essas pessoas, de forma que você tente superar a mágoa dos maus-tratos.

Por que existem agressões e por qual motivo as pessoas criticam?

Nas redes sociais em geral, principalmente Facebook e Twitter, muitas pessoas compartilham opiniões, seguem o que gostam, e criticam o que odeiam.

É justamente por se tratar de opiniões, formas de pensar sobre algo ou alguém que sempre existirá aqueles que atacam e aqueles que defendem.

É muito fácil reclamar e colocar culpa. Além de compartilhar conteúdos que causam ainda mais insatisfação. Nas redes sociais há muita polarização e mistura de opiniões. Por outro lado, é muito difícil alguém reconhecer que está errado sobre algo que comentou ou publicou.

Podemos ver essas situações no YouTube também, como qualquer pessoa pode criar um vídeo sobre opinião e críticas, se você não tomar cuidado, pode assistir vídeos com más referências, acreditando que o criador do vídeo está certo sobre o que diz.

Vamos ilustrar um problema: uma pessoa faz um comentário em uma publicação sobre matemática no Facebook. A pergunta é: quanto é 592 multiplicado por 51 dividido por 2?

No cenário em que estamos, 90% ou mais das respostas seriam relacionados a: pega a calculadora e faça a conta; como você passou do fundamental e não sabe?; Você é burro?; o resultado da conta é sua dívida com o banco; volta a estudar; etc.

E seriam poucos aqueles que responderiam: (592 x 51) / 2 = 15.096

Como você pode ver, é apenas uma pergunta. Não existe nenhum tema delicado, não é nada polêmico, mas as pessoas respondem tudo, exceto o valor da conta. Isso acontece porque ninguém tem a resposta pronta nesse caso. E ninguém se dá o trabalho de ajudar a responder uma simples pergunta de matemática. É irônico essas mesmas pessoas criticarem que o sistema educacional do país é precário enquanto que ninguém faz sua parte de ajudar o próximo.

Como ter cuidado com as más influências e críticas

Se você é do time dos que sempre questionam e está fora daquele grupo extremista, é muito importante que você desenvolva o senso do julgamento crítico, ou seja, se aquilo que foi publicado é de uma pessoa especialista na área, que possui experiência no que publica, e tem reconhecimento no trabalho.

Se essa pessoa fez uma publicação ou comentário baseado em uma referência relevante sobre o assunto, essa pessoa tem propriedade para discutir. Caso contrário, você não precisa perder tempo discutindo com aqueles cheios de certezas formadas erroneamente.

Se você não gosta de ser criticado, então não critique, é a maneira mais fácil de não se meter em problemas. Porém, se você está confiante e sabe que seus argumentos tem embasamentos, então você tem propriedade para discutir

Se você é produtor de conteúdo, já deve estar acostumado a receber comentários ofensivos, independente de onde isso venha. Se você está começando nessa área, é bom que você prepare seu psicológico. Não importa quantas referências você coloque no seu material, não importa se o linguajar é fácil ou difícil de entender, não importa quanto dinheiro você gastou para produzir, ou a experiência que você adquiriu por anos, sempre haverá aquele que dirá que tudo isso é um lixo, ou que se sentirá na altura de dizer que tudo o que você fez é besteira.

Comentários assim acabam desmotivando aqueles que produzem conteúdo, e na pior das hipóteses, fazem se sentirem depressivos. Isso é parte da realidade da internet de hoje, e isso pode durar muito tempo. Por isso você precisa superar essas críticas que não resultam em nada.

Outra dica, é para você não se envolver nas publicações da internet, simplesmente não comente se não houver necessidade, principalmente se você não quer ter interações com as outras pessoas. Se tiver uma dúvida, pergunte diretamente para quem postou o conteúdo, ou busque pela informação pesquisando na internet. Antes isso do que perguntar e ainda assim sofrer agressões.

Não acesse as redes sociais se não se sente confortável, ou não seja produtor de conteúdo se não estiver preparado para essas críticas. Pelo menos assim, você pode ter mais tranquilidade nos ambientes sociais.

Links úteis

O poder do ‘Like’ na internet

Redes virtuais, depressão real

Não deixe de Compartilhar!
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta